dnaBIODIET é um exame de mapeamento genético que identifica como cada organismo metaboliza determinados alimentos e substâncias, e aponta as tendências genéticas para a obesidade e para o desenvolvimento de intolerâncias alimentares. Exame feito através da saliva. Demora 45 dias para sair o resultado, já que a análise é feita nos Estados Unidos. Com o resultado, é possível uma nutricionista elaborar um cardápio personalizado e assim o paciente ter a melhora dos sintomas e chegar ao seu objetivo.

Análise de predisposição genética
Obesidade: Analisa os genes FTO e MC4R e seus polimorfismos, responsáveis por influenciar o comportamento alimentar com alterações em: Regulação do apetite, Aumento do risco de sobrepeso, Predisposição à um IMC alto.
Lactose: A variante genética no gene MCM6, próxima ao gene da lactase (LCT), tem mostrado uma influência nos níveis de lactase no organismo. Indivíduos que não apresentam a variante, têm uma possibilidade maior de serem intolerantes à lactose, enquanto indivíduos com a variante têm uma possibilidade menor e geralmente toleram a lactose mesmo em idade adulta.
Cafeína: substância altamente consumida e que possui vertentes favoráveis e contra sua utilização em dietas.
Os genes que influenciam a metabolização da cafeína trazem informações que podem guiar o consumo e determinar sua presença na dieta.
Traços de comportamento alimentar: avaliação de determinados comportamentos alimentares como fome, saciedade, desinibição alimentar e desejo por alimentos.
Glúten: a análise genética dos genes HLA de classe II é uma importante ferramenta de diagnóstico e auxilia na conduta clínica adequada para: diagnosticar ou excluir a Doença Celíaca em pacientes sintomáticos, verificar o risco genético de um indivíduo desenvolver a Doença Celíaca, determinar o perfil genético de um indivíduo que já realizou a sorologia e biópsia com o objetivo de confirmar ou excluir o diagnóstico de Doença Celíaca.
Folato: o Folato é um micronutriente que desempenha um papel importante no metabolismo de proteínas, assim como na síntese e no reparo do DNA. A variação dos níveis de Folato podem representar um risco aumentado significativo para as seguintes condições clínicas: defeitos no fechamento do tubo neural, trombofilias, pré-eclampsia, abortos de repetição, doenças cardiovasculares, alguns tipos de câncer.
Ômega 3: associado à diversas condições favoráveis de saúde, o metabolismo do Ômega 3 está ligado diretamente à proteção da saúde cardiovascular e cerebral. Identificar como o organismo assimila este ácido graxo reflete diretamente na recomendação de dietas para controle de obesidade, diabetes e depressão.

Telefones: (11) 4106-8054 / 9.9938-6990
E-mail: consulta@erikachuqui.com.br